Por que investigar a história dos Livros?

Colleen_McCullough
Bright spark, obra de Joanna Braithwaite. Óelo sobre tela. Prêmio Archibald, 2014.

Algumas pessoas já me perguntaram qual a razão de me dedicar à história dos livros no Brasil do século 19? De maneira bem objetiva, ter os livros como objeto e fonte de pesquisa é uma maneira de conhecer a formação, desenvolvimento e consolidação de um mercado editorial de uma localidade.

Entender a dimensão dos livros em que o letramento social era bastante insuficiente é considerar que, mesmo sendo uma pequena parte da atividade econômica de uma sociedade, podem revelar a expressão e os valores culturais, assim como os interesses particulares e coletivos daqueles envolvidos com a produção e circulação literária e os primórdios da constituição da futura indústria do livro no Brasil.

Mais do que se ater a origem de obras canônicas, a historia do livro abre espaço para compreendermos a relevância dos intermediários do livro. Aquelas personagens dispostas às margens da história como os editores, os livreiros, os impressores, os tipógrafos, mercadores, encadernadores, entre tantos outros. Aqueles que, sem a sua expertise, não seria possível vislumbrar um livro entre as mãos.

Para Laurence Hallewell (2012), estudioso do livro no Brasil, a venda de um livro “constitui um processo comercial condicionado por fatores geográficos, econômicos, educacionais, sociais e políticos.” E a indústria editoria no Brasil é resultado destes fatores. O desenvolvimento se deu a passos lentos, por outro lado, o tempo presente nos mostra que, apesar destas complexidades, o Brasil detém hoje uma das maiores produções editoriais em uma mesma língua.

Além disto, em minhas pesquisas sobre os livros, considero ainda o quanto as diferentes tecnologias têm modificado, não só o aspecto do livro, como o nosso modo de ler ao longo do tempo. Das inovações de Gutenberg que possibilitaram o aparecimento do livro para um público que não tinha acesso para adquirir os caros livros no século XV, a formação de um mercado de livros e o surgimento das livrarias na época moderna ao livro digital que tem influenciado a nossa maneira de manusear, olhar, interagir e compreender um texto. As mudanças tecnológicas, o formato e o conteúdo também se tornam importantes objetos para entender as práticas de leitura.

Por estes e outros aspectos que os estudos relacionados ao desenvolvimento da produção e circulação de livros é ainda um espaço amplo para explorar os diferentes olhares para este produto de forte simbolismo para as culturas letradas e, ao mesmo tempo, um produto mercadológico que se molda diante do poder econômico.


💬 A imagem em destaque é uma obra da artista neo zelandeza Joanna Braithwaite. A obra é uma imagem de umas das maiores escritora da Austrália Colleen McCullough, autora do livro “Pássaros Feridos”. Na tela, Joanna faz uma referência de uma das obras da escritora a série de livros intitulada “Masters of Rome“, cujas ilustrações também foram desenhados pela própria Colleen.

O estilo de Joanna é o surrealismo em que se justapõe a realidade e o absurdo, em que mescla técnicas tradicionais de pinturas a óleo em camadas ricas e pinceladas soltas, semelhante aos mestres holandeses do século XVII.


Fonte complementar:

 


Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search