A pesquisa durante a Pandemia do novo coronavírus

Estamos chegando ao fim do ano e já se aproxima aquela fase do balanço anual. Este ano foi um ciclo de muitas mudanças. Mudei de estado, sai do Rio de Janeiro e voltei para minha cidade, Recife. Isso aconteceu entre fevereiro-março, quando fizemos a mudança em definitivo.

Neste mesmo tempo, assumi o cargo de professora no curso da área de gestão empresarial (também sou formada em Administração e meu percurso profissional sempre esteve vinculado ao mundo corporativo). Menos de um mês depois de iniciar as aulas, o isolamento social nos forçou a lidar com uma nova realidade, a do mundo virtual. Não que isto fosse uma novidade para mim, que sempre estive conectada e interessada pelo novo. Estar 100% do tempo no mundo virtual, seja preparando conteúdo, estudando e ensinando foi bastante desgastante no início, mas ao mesmo tempo desafiador e estimulante.

Muitos projetos passaram pela cabeça, faltaram mãos para dar prosseguimento. Mas estão lá, guardados. Outros ganharam status e estão aqui em pleno funcionamento com este site e Instagram. A questão maior é a constância. Isso tudo tem impacto na minha tese. A necessidade de manter-se atualizado com o que está acontecendo no mundo, com a necessidade de aprender novas ferramentas, novos conteúdos e de ainda produzir para o meio acadêmico impactaram o andamento de parte das pesquisas.

Os arquivos físicos ainda estão indisponíveis. E o maior ganho de minha vinda para Recife este ano era dedicar 2020 para as pesquisas nos arquivos daqui da cidade, já que não há muita documentação disponível na internet para o período que analiso.

Este segundo semestre as aulas aliviaram, mas a fartura de eventos virtuais me estimularam a participar com comunicações. Foram vários em pouco tempo. Isto ao lado de artigos a serem escritos e, mais crítico ainda, a revisão do projeto e a escrita de capítulos para a Qualificação.

Interessante que o percurso de um doutorado parece confortável demais, 4 anos. Sabemos que não dedicamos totalmente nossa tempo à tese, até porque temos vida e outras demandas além do mundo acadêmico. Quando nos damos conta, o prazo está acabando. E este ano, com a Pandemia, o mundo parece que girou mais rápido.

Este post foi mais uma reflexão pessoal sobre os acontecimentos, as angústias e a necessidade de erguer a cabeça e continuar. Mesmo que se tenha uma banca de qualificação no encalço.

Segue o fluxo.


Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search