Qual o futuro do livro: O livro impresso e o livro digital

imagem estante de livraria
Créditos: Foto de Susan Q Yin na Unsplash

Recentemente, enquanto aplicava uma prova para alunos de graduação em História, observei gestos intrigantes à medida que respondiam às questões. Alguns deles erguiam a mão, como se estivessem fatigados, após apenas alguns segundos de escrita. Outros realizavam movimentos rápidos, talvez tentando aliviar a rigidez das articulações. É notável como as gerações mais jovens, imersas no mundo digital, raramente utilizam a escrita à mão. Digitam apenas breves mensagens em seu cotidiano e demonstram dificuldades na escrita manual. Muitos têm pavor quando minhas provas têm muitas questões abertas, e alguns sequer tentam respondê-las.

Essa cena me fez refletir sobre as mudanças nas práticas de leitura e escrita que testemunhamos nas últimas décadas. Lembrei-me das palavras de Michel Foucault, que há muito tempo anunciou a “morte do autor” como uma figura central na produção literária. Em seu famoso ensaio, ele argumentava que a autoridade do autor estava cedendo lugar a uma abordagem mais descentralizada e intertextual da leitura. No entanto, será que as mudanças no ambiente digital realmente estão empurrando o livro físico para o abismo da obsolescência, como muitos preveem?

“A meu ver, o impacto dessa revolução contemporânea é mais importante que o da revolução gutenberguiana”

Robert Darnton

A ascensão dos livros digitais é inegável. As vendas de e-books cresceram significativamente nas últimas décadas, chegando a representar cerca de 23% do mercado de livros em alguns lugares. Parece que estamos no meio de uma revolução do livro, onde os dispositivos eletrônicos se tornaram nossos companheiros de leitura. Mas aqui está o ponto interessante: apesar desse crescimento nas vendas de e-books, sua participação no faturamento das editoras é de apenas 6%, segundo pesquisa sobre os resultados de 2022 realizada pela Nielsen Book e coordenada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Câmara Brasileira do Livro.

Isso me faz questionar se a previsão de um mundo onde o livro físico é coisa do passado é um tanto prematura. Pode ser verdade que os e-books sejam uma opção conveniente para muitos leitores, mas eles não substituíram totalmente a atração do livro físico. Afinal, há algo mágico em segurar um livro, sentir o peso das páginas, virar cada uma delas e mergulhar na narrativa. O cheiro das páginas, as anotações nas margens, a sensação de progresso à medida que passamos de página em página – tudo isso faz parte da experiência de leitura que os e-books simplesmente não conseguem replicar.

Talvez o que estamos testemunhando seja uma coexistência de formas de leitura, em vez de uma substituição completa. As novas gerações podem estar mais habituadas à leitura digital, mas ainda haverá espaço para os amantes do livro físico. Afinal, as bibliotecas continuam a atrair visitantes ávidos por histórias impressas em papel, e as estantes de livros são um símbolo de status e conhecimento em muitos lares.

Como historiadora do livro, sigo de perto as mudanças nas práticas de leitura e na indústria editorial. Enquanto o cenário digital continua a evoluir, também devemos lembrar que a história do livro é uma narrativa em constante transformação. Não se trata apenas de substituir um formato pelo outro, mas de entender como as tecnologias afetam a maneira como nos relacionamos com o conhecimento e a literatura. E, talvez, no futuro, quando olharmos para trás, veremos que o livro físico não morreu, mas evoluiu e se adaptou, coexistindo de forma harmoniosa com seu homólogo digital, atendendo a diferentes necessidades e preferências dos leitores. O futuro do livro ainda é uma história em aberto, cheia de reviravoltas e surpresas.

Caso tenha interesse em conhecer mais detalhes da pesquisa, clique aqui.

Referência da citação: Posfácio da obra de Yann Sordet, “História do Livro e da Edição”. Ateliê Editorial, 2023.



Citar este post
Danielle Lacerda (2023, 27 Outubro). Qual o futuro do livro: O livro impresso e o livro digital. História do Livro. Recuperado em 1 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/qza6

Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search