Polêmicas folhetinescas: Leituras políticas dos romances de Eugène Sue no Brasil Oitocentista

Apresentei no XIII Encontro Estadual de História que ocorreu nos dias 15 e 19 de setembro de 2020 uma análise sobre o papel social dos escritos do folhetinista francês Eugène Sue que circularam no Brasil em meados do século XIX. As polêmicas suscitadas pelos dois principais títulos dentre uma vasta e popular obra romanesca que catapultou o escritor como um dos principais romancistas populares e mais bem pagos da primeira fase do romance-folhetim, marcaram um fenômeno que instigou, dentre os leitores comuns, a esfera intelectual e política da capital imperial, o Rio de Janeiro e a capital da província pernambucana, Recife.

Do romance que se tornou um febre entre ávidos leitores e críticos, Os Mistérios de Paris, publicado entre 1842-1843, inovou a narrativa de cunho burguês ao introduzir os marginalizados da sociedade francesa no protagonismo da ficção. Assassinos, prostitutas e operários repercutiam a dura realidade social, margeadas por uma perspectiva, ainda que incipiente, de um socialismo utópico, recém inaugurado pelo dandy e escritor.

Na obra mais polêmica de Eugène Sue, o Judeu Errante, retomou a campanha antijesuítica e ressaltou sua ideologia de cunho social. No encalço do fenômeno que se formava e nas polêmicas das obras, não se pode deixar de notar a intensidade com a qual as obras foram recebidas no Brasil. A intensa e ampla apropriação das obras alterou comportamentos, introduziu ideais e mobilizou embates e disputas no espaço público.

Pintura de Eugene Sue (1835)
por François-Gabriel Lépaulle

Diante disto, neste trabalho, destacamos a construção de sentidos do romance social de Eugène Sue à luz do principal nome da Revolução Praieira, Antônio Figueiredo e a narrativa de desconstrução do mito jesuíta por meio ao reacender o combate de caráter ideológico e político, entre insultos e críticos ferozes, como Lopes Gama, o padre Carapuceiro.

Deste modo, a compreensão desta construção de significados perpassa por uma abordagem que articula a produção escrita, os suportes e os agentes envolvidos na circulação dos textos e, portando, apoiamos-nos nos estudos de Robert Darnton, Roger Chartier, Diana Cooper-Richet e Henri-Jean Martin.Palavras-chave: Romance-folhetim, Circulação de romances, Eugêne Sue, Praeira, Jesuítas.

Essa discussão está disponível nos Anais do evento disponível do site do XIII Encontro Estadual de História, realizado pela Anpuh-PE para download.


Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search