Descobertas Reveladoras: Contos de Fadas Revelam Raízes Pré-Históricas

Os contos de fadas, como a icônica história de “A Bela e a Fera”, têm fascinado gerações por milhares de anos, revelam pesquisadores das prestigiadas universidades de Durham, na Inglaterra, e Lisboa, em Portugal. Com o uso de técnicas frequentemente empregadas por biólogos, esses acadêmicos mergulharam nas entranhas do folclore e desenterraram conexões surpreendentes entre diferentes contos do mundo, descobrindo raízes que remontam a épocas pré-históricas.

O estudo desafia a crença amplamente aceita de que essas histórias eram criações dos séculos 16 e 17, revelando que algumas delas têm uma história muito mais longa. Na verdade, uma delas, o conto da “Idade do Bronze”, remonta a cerca de 3000 a.C., surpreendendo aqueles que antes acreditavam que essas narrativas surgiram muito mais tarde.

No século 19, os renomados irmãos Grimm, Jacob e Wilhelm, famosos por sua compilação de contos populares, acreditavam que muitos desses contos tinham raízes profundas em uma história cultural compartilhada que se estendia até o surgimento das línguas indo-europeias. No entanto, essa crença foi posteriormente contestada por acadêmicos que defendiam que essas histórias eram criações relativamente recentes dos séculos 16 e 17. O estudo recente reacende a teoria dos irmãos Grimm, provando que eles estavam certos em suas suposições.

Liderado pelo antropólogo Jamie Tehrani da Universidade de Durham e em colaboração com a pesquisadora de folclore Sara Graça da Silva da Universidade Nova de Lisboa, a pesquisa empregou técnicas de análise filogenética, originalmente desenvolvidas na biologia para investigar relações entre espécies, e aplicou-as à evolução cultural de histórias populares. Isso permitiu rastrear as origens de contos compartilhados por diferentes culturas até sua antiguidade mais remota.

Os resultados revelaram que histórias como “João e o Pé de Feijão” datam de mais de 5.000 anos atrás, relacionando-se ao período da divisão leste-oeste das línguas da família indo-europeia. “A Bela e a Fera” e “O Anão Saltador” têm impressionantes 4.000 anos de história, enquanto uma história de folclore chamada “O Ferreiro e o Diabo” pode ser rastreada até 6.000 anos atrás, durante a Idade do Bronze.

É notável que essas histórias tenham sobrevivido sem terem sido escritas, transmitidas de geração em geração. Elas existiam antes de idiomas modernos como o inglês, francês ou italiano e eram, provavelmente, contadas em uma língua indo-europeia já extinta.

Essa pesquisa não apenas lança luz sobre a antiguidade e a durabilidade de contos de fadas, mas também destaca como a análise filogenética pode ser usada para estudar a evolução cultural de histórias populares. Essas narrativas atemporais continuam a encantar e cativar públicos de todo o mundo, conectando-nos a nossos antigos antepassados de maneiras que talvez nunca tenhamos imaginado.

Para conhecer mais sobre esta pesquisa, publicado pela Revista The Royal Society Open Science, clique aqui.

Acompanhe pelas redes sociais, clique aqui


Citar este post
Danielle Lacerda (2023, 12 Outubro). Descobertas Reveladoras: Contos de Fadas Revelam Raízes Pré-Históricas. História do Livro. Recuperado em 1 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/qza4

Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search