Começa hoje o XXII Encontro Regional de História da ANPUH MG 2020

Acontece entre os dias 28 e 30 de outubro de 2020 o XXII Encontro Regional de História da ANPUH, promovido pela Associação Nacional de História pela Seção Minas Gerais. A temática deste ano será “História e produção do presente: narrativas, identidades, intermediações e projetos“.

Desta vez, irei participar do evento na seção do dia 29/10 no Simpósio 22 “O conhecimento histórico em tempos de negação: pesquisa, narrativas e ensino de História em discussão“, com a coordenação de Plínio Ferreira Guimarães, do Instituto Federal do Espírito Santo campus Ibatiba. Neste Simpósio, pretende-se discutir temas sensíveis para o historiador e as narrativas que se encontram em disputa no momento atual. Além disso, procurar-se refletir a prática de historiar diante das novas tecnologias e da necessária aproximação entre a produção historiográfica e o ensino básico.

A comunicação que escolhi apresentar no Simpósio intitula-se O jardim das delícias do mundo digital: fontes digitais e os novos desafios para o historiador do livro. O objetivo de trazer à tona esta discussão reflete as mudanças que as transformações digitais têm impulsionado em nossa sociedade. Visto aqui coo um fenômeno total, na acepção de Mauss, observamos uma aproximação cada vez mais intensa das Tecnologias Digitais ao ofício do historiador.

Ao vivenciarmos este contexto do mundo digital em nosso cotidiano temos a tendência de naturalizar os recursos digitais em nossas práticas. No entanto, o repertório da prática historiográfica tem nos alertado para a necessidade de problematizar os objetos, fontes e métodos. Como admitiu Antonie Prost (*), o texto histórico só é admissível cientificamente por conta “do esmero que tiver sido aplicado na construção dos fatos”. Este cuidado está relacionado a um trabalho combinado entre a aplicação do método crítico, o conhecimento das fontes e a problematização.

As Tecnologias Digitais estão inseridas nos três principais campos da História, na pesquisa histórica, na divulgação do conhecimento histórico e no ensino. Podemos entender os recursos digitais como meios para armazenar, classificar, criar e analisar dados e conhecimentos. Ainda como ferramental, podemos utilizar a tecnologia para democratizar a produção histórica, como o uso de redes sociais, das mídias digitais, das tecnologias em 3D e Inteligência Artificial. E no ensino, temos disponível no mercado digital tecnologias para aprendizagem, associadas às mídias digitais.

Contudo, queremos nos ater aqui nesta breve análise sobre as facilidades de acesso às fontes históricas por meio dos recursos digitais, sejam elas fontes digitalizadas ou criadas a partir do cyberespaço. Precisamos pensar a respeito dos usos destas Tecnologias Digitais com um olhar crítico, não com desconfiança, até porque este cenário digital é um caminho, aparentemente, sem volta. Apesar de ser uma entusiasta dos recursos digitais, é preciso alguma cautela e estar ciente das imposições, riscos e lacunas que a utilização de fontes digitas podem provocar. Ao mesmo tempo em que temos ciência das facilidades às fontes digitais, uma vez que se não estivessem disponíveis no cyberespaço, não teríamos como acessá-las.

Dito isto, eu gostaria de direcionar este diálogo para algo mais específico e fundamental para o historiador do livro que são os próprios livros. A minha proposta é fazer uma interlocução entre a minha experiência com os livros digitalizados, considerados aqui como objeto e fonte de pesquisa, com as preocupações apontadas por Roger Chartier e os estudos neurolinguísticos sobre as modificações em nosso cérebro com a introdução da leitura digital e os debates suscitados pela História Digital em torno do uso das tecnologias digitais. Estas reflexões transitam pelo atual contexto em que o negacionismo e as disputas de narrativas tornam-se os principais desafios do historiador neste momento.

(*) PROST, Antonie. Doze Lições sobre História. Belo Horizonte: Autêntica, 2017, p. 73.


Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search