A primeira revista de moda da história. Só podia ser francesa!

Não poderia ser mais emblemático do que a França ser palco para o lançamento da primeira revista de moda. Mais precisamente, em 1672 foi lançado o primeiro número da Le Mercure Galant, periódico criado pelo jornalista Jean Donneau de Visé (1638-1710) e dedicado ao Rei. em alusão ao mitológico deus o mensageiro, Mercúrio, veloz em espalhar as notícias, a revista tinha por objetivo divulgar as novidades nas moda, artes, literatura, fofocas, contos galantes e notícias da aristocracia.

No início, a revista era publicada trimestralmente, com o sucesso, logo tratou de reduzir o intervalo, publicando a cada mês. Apesar do desprezo de alguns críticos, logo tomou o gosto popular, garantindo um lugar de destaque de Donneau na vida literária de Paris. Sob a direção de Jean Donneau de Visé foram publicados 488 edições entre 1672 e 1710.

Capa da primeira edição da revista Le Mercure Galant, 1º janeiro d 1672.

Um dos legados da Le Mercure Galant foi o papel de estabelecer uma forte relação da moda com a sociedade francesa, além de ter firmado o ideal de ilustração da moda e ter criado o conceito de estações como conhecemos hoje.

Habit d’Esté, le Mercure Galant d’avril 1678 – Paris, Bibliothèque Nationale de France

A revista ainda contava a publicidade de anunciantes que ofereciam aos seus leitores serviços e produtos de moda. A exploração do luxo e a divulgação dos costumes e do estilo de vida na corte de Luis XIV, favorecia a criação de tendências de moda e hábitos entre os franceses.

Após a morte de seu fundador, a revista continua sendo editada por Charles Dufresney. Após uma parada de alguns meses, a publicação é retomada sob a direção de Lefebvre de Fontenay com o título Nouveau Mercure Galant. A revista foi descontinuada e retomada por Pierre-François Buchet com o nome Le Nouveau Mercure que durou de 1717 a 1721.

Nova mudança de direção, desta vez com Antoine de La Roque retomou o periódico com o título Mercure de Françe, em 1724. Após novas mudanças de administração, o periódico conseguiu ultrapassar os anos turbulentos da Revolução e chega até 1825, quando cessa a sua publicação após um período caótico.

Em 1835, a revista é relançada pelo Sr. Pique e editada por Samuel-Henri Berthoud, integrado ao Museu da Família, até ter sido reduzida a um artigo insignificante sob a gestão de Charles Delagrave em 1882.

Na virada do século, a revista Mercure de France foi revigorada pelas mãos de Alfred Vallete com os amigos simbolistas. A primeira edição desta nova fase , em 1º de janeiro de 1890 inaugura um novo segmento, o de publicação de livros, Les éditions du Mercure de France. O poeta Mallarmé foi um dos que publicaram seus textos inéditos nesta editora, como André Gide, Paul Claudel e Colette e foi uma das primeiras editoras a traduzir Nietzsche para o francês.

Após a morte de Alfred Vallete, sob a gestão de Jacques Bernard a revista se envolveu na colaboração francesa no período de ocupação nazista em 1941. pós a condenação de Bernard em 1945, Paul Hartman que lutou na resistência assumiu a revista até ser comparada pela editora Gallimard, gerenciada pelos seus descendentes nos dias atuais.

Referências:

Edições do Le Mercur Galante. 1672 a 1674. https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k32948j

Sgard, Jean. “Jean Donneau de Visé (1638–1710).” Dictionnaire des journa­listes, 1600–1789. http://dictionnaire-journalistes.gazettes18e.fr/journaliste/244-jean-donneau-de-vise.

Steinberger, Deborah. Le Mercure Galant and its Student Body: Donneau de Visé’s Inclusive Pedagogy., Journal Early Modern France, 17 (2016), 41–56. https://earlymodernfrance.org/journal/2016-volume-xvii/mercure-galant-and-its-student-body-donneau-vise%E2%80%99s-inclusive-pedagogy



Citar este post
Danielle Lacerda (2022, 19 Junho). A primeira revista de moda da história. Só podia ser francesa! História do Livro. Recuperado em 2 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/qza1

Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search