ROMANCES-FOLHETINS SOCIAIS DE EUGÈNE SUE E OS IDEAIS SOCIALISTAS DOS QUARENT-HUITARD PERNAMBUCANOS

A Revolução Praieira desabrochava em Pernambuco em uma época que havia um fértil terreno para a retomada da tradicional cultura revolucionária preservada pelos pernambucanos. A acirrada disputa entre os liberais e conservadores foi condimenta da pela retomada ao poder pela oligarquia conservadora. O poder alternava-se em um acordo político entre as famílias Cavalcanti e Rego Barros. Enquanto os Cavalcanti aliavam-se aos liberais, a família Rego Barros, mantinha-se na posição junto aos conservadores.

Esta comunicação foi apresentada no XII Encontro Estadual de História da Anpuh-PE. Leia a seguir alguns trechos do artigo.

Em1837, era a vez dos conservadores e o poder foi destinado ao jovem recém-chegado de Paris, Francisco Rego Barros que se tornaria o presidente da Província de Pernambuco entre 1837 e 1844. Influenciado pela ideia de progresso, o futuro Conde da Boa Vista, contratou engenheiros franceses para liderar grandes obras que pudessem modificar o espaço público, trazer melhorias estruturais e de saneamento. O novo presidente da Província de Pernambuco, incentivava ainda as artes e acultura nos moldes europeus.

No entanto, a decadência da economia açucareira e de algodão em decorrência dos interesses voltarem-se para a expansão do café nas províncias do Sudeste foi um dos fatores para o agravamento da crise social para os habitantes que sobreviviam destas atividades. Na área urbana, a miserabilidade dos pernambucanos era agravada pelo predomínio de estrangeiros na atividade comercial, notadamente os portugueses. Estes, eram acusados pelo desemprego da população local que sofria ainda com o aumento do custo de vida. O acordo político entre os Rego Barros e a família Cavalcanti que mobilizavam grande parte da economia latifundiária pernambucana e o cenário político terminavam por reforçar o sentimento de revolta e inquietação.

O intelectual Antônio Figueiredo, apesar de ser amigo e protegido de Francisco Rego Barros, fundador da Revista O Progresso, foi um dos principais ideólogos da Revolução Praieira que alimentava as críticas aos grandes proprietários de terra. Segundo Figueiredo (QUINTAS, 1977, p.133), a “feudalidade” do latifúndio dominava a metade da população da província, circunstância ferrenhamente combatida pelos praieiros. Neste caldeirão de disputas, complementava-se ainda a rejeição aos estrangeiros, principalmente portugueses, que dominavam o comércio de retalho, ou varejista.

Segundo Amaro Quintas (1977, p.136), “havia no ambiente intelectual da Província um clima favorável à expansão de ideias de reforma social”. A esta agitação que vinha das camadas populares “correspondia a existência de uma elite intelectual propensa à compreensão e propagação de princípios socialistas”

Quintas destaca ainda que o pensamento dos liberais pernambucanos da praieira impregnava-se do espírito quarent-huitard, aquele que guiou a burguesia revolucionária francesa, ao lado de operários, estudantes, pequenos burgueses à Revolução de 1848. Os revolucionários parisienses, insuflados pelo fim trágico de um grupo de manifestantes no Boulevard des Capucines1 em 23 de fevereiro de 1848, invadiram o Palácio das Tullerias, logo após a abdicação do rei burguês Luís Felipe. Logo tomaram o poder e estabeleceram um governo provisório (HARVEY, 2015, p. 11-17).

Contudo, a proclamação da república pelo governo provisório francês não conseguiu suportar a pressão de uma economia arruinada e o agravamento da crise social. Divergências entre os revolucionários, a Assembleia Nacional dividida entre Conservadores monarquistas e Liberais socialistas-democratas, dispensou o governo provisório. Enquanto isso, as classes médias viam com desconfiança as movimentações da República, com receio da retomada dos dias de Terror de 1793 e por possíveis desvios dos ideais revolucionários.

O romance-folhetim Les Mystères de Paris, que em português foi traduzido como Os Mistérios de Paris, do então popular escritor Eugène Sue foi publicado no conservador Journal des Dèbats, na conhecida seção feuilleton que se destinava aos romances emsérie5 e levaria 15 meses de publicação quase diária, para chegar a sua conclusão. Em curto espaço de tempo, o romance tornara-se um fenômeno literário e social, representado pelo alvoroço provocado em torno da obra pelos leitores impressionados e curiosos pelas intrigas e trama veloz de Eugène Sue. Tal fenômeno caracteriza-se pela mobilização devárias instâncias que perpassavam os campos literário, jornalístico, editorial, social e mesmo político.

Com a popularidade da obra, Os Mistérios de Paris logo era traduzido e publicado em diversos países na Europa e Américas. Considerado o primeiro romance social que trazia como protagonistas uma camada da população marginalizada, os operários, os criminosos e as prostitutas, Eugène Sue, aproveitando-se para imprimir sua recente incursão ao socialismo de Charles Fourier, acusava a sociedade burguesa e o Estado pelos efeitos da condição de miserabilidade, assolada pelos baixos salários que os operários recebiam nas fábricas e que por necessidade de sobrevivência submetiam-se à condições degradantes de trabalho.

Continua…

Para ler o texto completo, acesse https://www.encontro2018.pe.anpuh.org.



Citar este post
Danielle Lacerda (2022, 13 Junho). ROMANCES-FOLHETINS SOCIAIS DE EUGÈNE SUE E OS IDEAIS SOCIALISTAS DOS QUARENT-HUITARD PERNAMBUCANOS. História do Livro. Recuperado em 12 de Junho de 2024, de https://doi.org/10.58079/qza0

Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search