Um raro poema do jovem Machado de Assis em celebração a D. Pedro I

D. Pedro II

Em homenagem ao regresso de D Pedro II e da Imperatriz Tereza Cristina após longa viagem pelas províncias do Norte brasileiro, mais especificamente do Nordeste, um jovem escritor ainda pouco conhecido oferecia um poema impresso em uma bela litografia produzida pelo conhecido gravador Carlos Lide.

A rara e bela gravura de 1860, intitulada Ao Feliz Regresso S.S.M.M.I.I. (veja em alta resolução), celebra a chegada dos monarcas de primeira viagem do Imperador aos atuais estados Bahia, Sergipe, Alagoas, Pernambuco e Paraíba iniciada em outubro do anterior. O interesse de D. Pedro era estar a par dos das melhorias realizadas pelo seu governo. Interessava-se pela história do lugar, verificava os órgãos públicos e visitava a região com entusiasmo, como denunciava em seu diário os dias passados nas capitais e no interior das regiões que visitou.

Litografia do Carlos Linde (1860)

Na gravura, o alemão Carlos Linde marcou os locais por onde os imperadores passaram no seu trajeto de retorno à Corte no Rio de Janeiro em imagens dos arcos de Triunfo construídos para o percurso dos monarcas. Na mesma gravura, vê-se os retratos dos imperadores no topo superior e destaque ao centro, o poema escrito por um ainda jovem escritor de 21 anos Machado de Assis. Nesta época, Machado ainda não era tinha chegado ao seu auge literário.

Detalhe do poema de Machado de Assis

Pouco se sabe sobre a origem deste poema, sendo um mistério quem convidou Machado para celebrar o retorno da família real nesta litografia. Entretanto, a obra, datada de 2 de fevereiro de 1860 não deixa de ser um importante registro dos primeiros trabalhos de Machado de Assis e uma peça relevante para a iconografia nacional.

Leia a transcrição do poema:

“A.S.M.I.

11 de Fevereiro de 1860

Cesar! fulge mais luz nas saudações do povo,

Ha nos hymnos plebeus – mais alma nacional

Quando a mão do Senhor ergue d’um germen novo

A virtude e o saber em fronte imperial.

Aqui, se o vès curvado ao sol da magestade

Não é que o ceguem mais os velhos ouropeis;

É que fulge a realesa em céo de liberdade,

E abraça a liberdade – a tradição dos reis.

Tu, que voltas do mar aos canticos do Norte,

Tu, que vens emballado aos hymnos do paiz,

Podes e deves crer no publico transporte

Como dias de luz que o povo te prediz;

A ti, que tem por norma a historia do passado,

Como atravez do tempo – a inspiração de Deus!

E que sabes de fé que um Caucaso elevado

Nem sempre é neste mundo o fim de Prometheus.

Bemvindo! diz-te o povo e a phrase poderosa

É como que ferevente a triplice ovação.

– Ouve-a tu, que possues um anjo por esposa,

Por mãi a liberdade e um povo por irmão!

Machado de Assis

REFERÊNCIAS:

COSTA, Ana. A imprensa local e a viagem de D. Pedro II à província de Pernambuco em 1859. http://www.ufrgs.br/alcar/encontros-nacionais-1/encontros-nacionais/12o-encontro-2019/gt-2013-historia-do-jornalismo/a-imprensa-local-e-a-viagem-de-d.-pedro-ii-a-provincia-de-pernambuco-em-1859/view

LAGO, Pedro Correa do. Brasiliana Itau. São Paulo: Capivara, 2009.

Iconografia de Carlos Linde. https://www.brasilianaiconografica.art.br/autores/18537/carlos-linde



Citar este post
Danielle Lacerda (2022, 8 Junho). Um raro poema do jovem Machado de Assis em celebração a D. Pedro I. História do Livro. Recuperado em 1 de Março de 2024, de https://doi.org/10.58079/qz9y

Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search