ARTE EM MADEIRA: AS ORIGENS DA XILOGRAVURA

Crédito: https://mayarasmile.wordpress.com

A xilogravura é uma técnica de impressão que utiliza um suporte de madeira para replicar imagens. O artesão talha desenhos em relevo em blocos de madeira, seguindo o sentido da fibra de forma minuciosa. A parte mais elevada do desenho recebe a tinta para receber o papel por cima. Nos primórdios da técnica usada pelos europeus, o papel era pressionado com uma bola de tecido com miolo de crina, influência de quando a xilogravura era aplicada em tecidos.

A técnica já era utilizada e aplicada em tecidos por diversos povos como egípcios, persas, indianos, persas e até mesmo na América Pré-Colombiana (HASHIMOTO, 1992), na China e no Japão. É provável, que a técnica da xilogravura tenha sido resultado de uma combinação da técnica de estampas em cartas de baralho que era feita tanto em madeira como em tecido com a invenção do papel na China, que surgiu no final da dinastia de Han (206 a 221 d.C.).

Ilustração em xilogravura de Buda, presente na folha de rosto do livro mais antigo impresso que se tem registro, o Diamond Sūtra, escrito na China em 868.

Este livro foi encontrado nas “Cavernas dos Mil Budas”, importante centro budista entre os século 4 e 14. A cada folha do rolo de pergaminho foi impresso em blocos separados, formando um rolo horizontal de 5 metros de comprimento. O livro conta ainda informações precisas sobre quem encomendou a obra, quem pagou e sobre qual objetivo. O livro encontra-se em exposição no British Library.

Nesta época, a xilogravura era utilizada como um carimbo, em que o desenho talhado era entintado e aplicado no papel, como é possível encontrar registros de imagens budistas impressas em série, como no mais antigo livro impresso conservado em sua integridade, o Diamond Sūtra. A obra, datada de 11 de maio de 868 (segundo o calendário ocidental) contém na folha de rosto uma belíssima imagem de histórica de Buda. Na cena, Buda se dirige a um discípulo idoso Subhūtil, durante uma assembleia num bosque. O delicado desenho em xilogravura ressalta o avanço da técnica na China.

A evolução da técnica


Com o desenvolvimento da técnica, a xilogravura começa a se diferenciar do carimbo ao colocar o papel sob a matriz de madeira e não o contrário. Na Europa, a xilogravura ganha algum espaço com a difusão do cristianismo. Embora as ilustrações à mão e a iluminura fossem preferência na decoração dos livros, a técnica aparece em meados do século XIV utilizada em conventos. Segundo Labarre (1981), neste período circularam livretos que combinavam textos e gravuras impressas na técnica da xilogravura. Também era possível encontra textos em xilogravura separados da imagem. A chegada da tipografia teria motivado o desaparecimento destes tipos de livros.

Importante destacar que foi na Alemanha que a técnica ganha representatividade cultural. Nas mãos do grande artista alemão Albrecht Dürer (1479-1528), a xilogravura ganhou novas maneiras de execução. Com um corpo técnico de artesãos que talhavam a madeira, Dürer concebia as ilustrações que deveriam ser talhadas na matriz. Das linhas simples, o artista desenvolve linhas que representam volume e luz. O resultado dos trabalhos em xilogravura de Dürer podem ser admirados em obras como Apocalipse (1458), reproduzido em 15 folhas e Paixão de Cristo (1511).

O Cavaleiro, a morte e o diabo (1513), Museu Boymans Van Beuningen, Rotterdam. Fonte: https://gallica.bnf.fr
Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse (1498) Fonte: http://www.wga.hu

Com Dürer, a pintura colorida na xilogravura torna-se desnecessária com a aplicação do efeito claro/escuro. Ainda na Alemanha, a evolução da xilogravura provoca uma separação entre o texto e a imagem, principalmente com o surgimento dos tipos móveis metálicos de Gutemberg, criando-se a arte da tipografia, enquanto a imagem gravada na madeira, passa a ser conhecida como xilografia.

A xilogravura contemporânea

No final do século XIX, grandes artistas retomam a arte da xilogravura. A relação com os livros se mantém viva nas famosas e belas ilustrações de Gustave Doré (1833-1883) que utilizou a técnica em muitas de suas famosas gravuras em obras de grandes autores como Rabelais, Theóphile Gauthier, Victor Hugo, Lord Byron e Charles Perrout.

Gustave Doré. A Visão do Inferno (Canto XXXIV), 1890.

Artistas como Edward Much (1863-1928), conhecido pela espetacular obra do expressionismo alemão O Grito (1893) utilizou a xilogravura de modo bastante especial. Segundo Suzana Sakai (2008), a arte japonesa já era admirada pelos europeus, tanto que várias peças artísticas foram expostas na Exposição internacional de Paris de 1867, alcançando o auge na exposição de 1878. Neste contexto, inclui-se as xilogravuras que iriam encantar e influenciar Picasso e Matisse (HASHIMOTO, 1992).


No Brasil, a xilogravura chega ao Brasil como os portugueses, bastante presentes em livretos de cordel no século XVIII. No Nordeste, ganha espaço no patrimônio cultural nas mãos de artesãos que mantém viva a tradição, como os artistas Gilvan Samico (1928-2013), José Costa Leite (1927-2021) e J. Borges, principalmente na dupla literatura de cordel e xilogravura.

O Devorador de estrelas, Samico (1999) Fonte: https://artsandculture.google.com
Jose Costa Leite. Xilogravura e Cordel. Fonte: http://www.antoniomiranda.com.br

Referências:

  • BRITISH LIBRARY. Printed copy of the Diamond Sutra. https://www.bl.uk/collection-items/the-diamond-sutra.
  • HASHIMOTO, M. N. Desenvolvimento histórico da xilogravura no Japão em confronto com o desenvolvimento da gravura na Europa. Estudos Japoneses, [S. l.], n. 12, p. 75-89, 1992. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/ej/article/view/142617.
  • LABARRE, Albert. História do Livro. São Paulo: Cultrix, 1981.
  • SAKAI, Suzana. Do papel de embrulho ao Impressionismo. Matéria publicada em Zashi edição 7, Mar. 2008. Disponível em: https://www.nippo.com.br/v2_zashi/especial/07a.php

Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search