Imagens escondidas nos livros: a técnica fore-edge painting

Quando se pensa em um livro, a primeira ideia que surge é de um objeto bastante simples. Um agrupamento de folhas escritas, talvez com algumas ilustrações, com folhas costuradas ou coladas envoltas por uma simples brochura ou uma capa dura. De baixa complexidade, o modo de operar um livro, folheando cada página, seguidamente, para ter uma completa compreensão do todo, representa esta simplicidade no ofício do leitor.

As origens do fore-edge paiting

São poucas pessoas que observam o livro além de suas funcionalidades técnicas. Admirar uma capa bem elaborada ou surpreender-se com belas gravuras. Alguns compram livros pela sua beleza, outros observam e estudam o livro como um objeto de arte.

As iluminuras são exemplos de arte produzida nos livros. Estes desenhos e pinturas ornamentadas com aplicações de folhas metálicas decoravam as páginas de manuscritos produzidos pelos monges copistas na época medieval.

“The Medici Saltério-Hymnal”. Manuscrito feito para a família Medice. A imagem retrata o Rei Davi arrependendo-se de seus pecados. Itália, Florença, c.1480. Fonte: Museu Fitzwilliam.

Com o surgimento dos livros impressos, as encadernações passaram a ser cada vez mais elaboradas para aqueles que poderia pagar por uma capa em couro ou com aplicações metálicas. Mas é no século XVII, que surge uma técnica bastante incomum de decoração, a pintura de cenas e paisagens nos cortes frontais do livro. Algo curioso, uma vez que a imagem só aparece se pressionar e inclinar o livro.

A técnica é conhecida como fore-edge paitings ou tranche peinte ou tranche à peinture cachée em francês. Não se sabe ao certo quanto às suas origens e não há um consenso sobre o inventor da técnica. No livro Brasiliana Itaú, aponta como inventores da técnica dois portugueses, encadernadores e desenhistas, que viviam em Londres no século XVIII. Por outro lado, registra-se que a técnica tenha se desenvolvido quando os livros passaram a serem armazenados na vertical, sendo comum pintar as bordas com o brazão das famílias. No século XVI, a biblioteca do nobre e jurista italiano Odorico Pillone, de Veneza, é famosa pelas bordas pintadas dos seus livros, decoradas por Cesare Vecellio, um primo distante do mestre Ticiano.

 A luxuosa biblioteca da família Pillion continha 172 volumes pintados por Cesare Vecellio na década de 1580. A coleção de livros ficava na propriedade da família em Belluno, norte de Veneza, na Itália. Fonte: https://news.yale.edu/2019/03/14/painted-renaissance-volumes-view-yales-beinecke-library

Consta-se ainda que a técnica da pintura no corte do livro que só aparece ao manusear o livro de uma determinada forma, tenha sido difundida em meados de 1600 na Inglaterra. E que, segundo o site Virginia Museum of History & Culture, foi a conhecida firma de encadernadores e livreiros ingleses, os Edwards Bindery de Halifax, que popularizaram esta arte no final do século XVIII, também presente no século seguinte. Atualmente, existem poucos exemplares deste período com esta técnica, tornando estas obras bastante raras e tão desejados no mundo da bibliofilia.

A obra The Heavens: The Seasons” escrita por Robert Mudie, em 1836, tinha como tema a astronomia. Crédito da foto: Photo credit: Melissa Kunz/University of Tulsa. Fonte: https://www.amusingplanet.com/

Provavelmente, o objetivo era surpreender o leitor com um imagem escondida, embelezar e valorizar o objeto livro. Quando as bordas da página são douradas ou marmorizadas, a imagem desaparece e apenas reaparecem quando o livro é pressionado e torcido para os lados.

A obra “Thoughts on Hunting: in a Series of Familiar Letters to a Friend”, foi publicada em 1820, e parece que não ter nada de extraordinário, até que um simples movimento do livro surge algo. Photo credit: Petrina Jackson/University of Virginia.
Surge uma cena de caçada. Crédito da foto: Petrina Jackson / Universidade da Virgínia
De forma surpreendente, em um segundo movimento do livro, surge uma outra pintura quando abre-se as páginas em leque. Crédito da foto: Petrina Jackson / Universidade da Virgínia.

Inicialmente, a técnica de pintar as bordas do livro, que fica oposta à lombada era mais simples. As imagens eram pintadas e eram vistas facilmente. Já a técnica mais complexa, que teria se desenvolvido no século XVIII, consistia em “esconder” o desenho quando o livro estava fechado.

O desenvolvimento da técnica permitiu criar novas formas de revelar a cena ao manusear o livro. A imagem poderia aparecer com o livro aberto em leque, poderiam existir pinturas triplas, pinturas duplas (cenas diferentes quando se abre o livro ao meio) entre outras possibilidades. Quanto aos temas da pintura, eram variados. Era comum que a arte oculta representasse cenas do próprio livro, paisagens ou mesmo a imagem do proprietário do livro.

Neste vídeo um arquivista da Biblioteca da Universidade de Cornell, em Nova York, apresenta uma cópia de da obra “Kim” de Rudyard Kipling de 1925. Uma bela encadernação traz uma surpreendente imagem no corte das páginas frontal escondida pela douração. Fonte: http://www.cornell.edu/video/cb-currie-fore-edge-painting-1925-rudyard-kipling-kim

A técnica hoje

O trabalho meticuloso ainda é preservado por alguns poucos artesãos e artista como o britânico Martin Frost. Segundo o próprio artista, já produziu mais de 3.500 imagens ocultas ao longo de 40 anos de carreira. A variedade de temas das pinturas modernas levam os admiradores a cenas românticas, eróticas à Harry Potter. Apesar de um público restrito, colecionadores de livros contratam estes artistas especializados na arte do fore-edge para embelezar seus próprios livros.

O artesão e artista Martin Frost em ação. Fonte: https://www.foredgefrost.co.uk/the-artist

É possível encontrar e admirar estas obras preservadas em alguns museus e bibliotecas no mundo. A Biblioteca Pública de Boston tem uma das maiores coleções de livros com a tecnica fore-edge paiting nos Estados Unidos que você pode visitar online. Na página da biblioteca no Flickr tem uma série de imagens em fore-edge na coleção da biblioteca, veja mais aqui.


Danielle Lacerda

Historiadora e Administradora de Empresas, docente em cursos de graduação. Minhas pesquisas atuais em História circulam entre a história do livro e das livrarias. Também me interesso pelo vínculo da tecnologia digital com a História. Curiosa, colecionadora de livros e histórias perdidas.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search